Chef Ricardo Peinado

Chef Ricardo Peinado

 Finalmente, o nome do nosso chef: Ricardo Peinado.

Uma descrição by himself:

Eu sou o chef Ricardo Peinado e tenho 26 anos.

Aos meus 8 anos os meus pais imigraram para a Suíça e levaram-me junto com os meus 3 irmãos. Vivia numa pequena freguesia com 3500 habitantes chamada Aadorf que se localiza no cantão de Thurgau na parte alemã. Estudei em Aadorf até ao 9º ano, depois formei-me em Zurique na Escola Superior de Hotelaria de Zurique “Belvoipark”.

O Belvoirpark está entre as melhores escolas hoteleiras do mundo. Durante os primeiros dois anos, aprendi a servir à mesa, aprendi muito sobre vinhos e como lidar com os clientes nas mais variadas situações. Nos dois anos seguintes estudei cozinha francesa, passei por todos os postos da cozinha como o Garde-manger, Entremêtier, Saucier e Patissier.
Enquanto eu terminava a minha formação a minha família decidiu voltar para Portugal e eu ainda fiquei até acabar o curso. Em 2005 também voltei para Portugal e fui viver durante 3 anos para o Algarve onde trabalhei no Restaurante “O País” na Marina de Albufeira e no Hotel Vila Vita Park em Alporchinhos.
De volta a Lisboa, mandei o meu curriculum para o TFTF porque procuravam um chefe de cozinha com conhecimentos na cozinha francesa. Fui a uma entrevista de trabalho onde me foi mostrado o projecto. Gostei da ideia e do desafio de elaborar pratos alsacianos no centro de Lisboa, e assim foi.

Estou muito motivado com este projecto e mal posso esperar por mandar a primeira “Flamküeche”.

Anúncios

Muito trabalho, muitas noites, e ideias a surgir.

Uma primeira palavra (ou imagem) da Cria + , os nossos arquitectos, para o nosso blog.

Arquitectos Cria Mais

Eis senão quando… a equipa do TFTF quase está completa e reúne-se no Rubro.

Equipa no Rubro

Equipa no Rubro

Reconhecem alguém na foto?

Ele é conversa, ele é música… tudo para acertar os mais ínfimos pormenores, da decoração, à música, passando, claro, pela Cozinha. Aproveitem e dêem uma olhadela ao vídeo. 🙂

A questão era: que música para o nosso restaurante em Lisboa? Vejam no que deu: http://www.youtube.com/watch?v=PaACuXc12zU

Entretanto, temos uma novidade oficial: o estilista das nossas fardas está escolhido! É o Nuno Tiago que nos fez uma proposta fantástica. Em breve, vamos poder mostrar-vos o seu trabalho.

A vez da Aline, no TFTF

Maio 13, 2009

Depois do Nuno e da Ghislaine, chegou a vez de conhecerem a Aline, nossa consultora de recursos humanos. Tem sido uma preciosa ajuda na procura e na escolha de toda a equipa do novo espaço.

A "nossa" Aline

A "nossa" Aline

Por isso, nada melhor do que perguntar-lhe o que para ela, é, de facto, esta Flamme que nos une a todos.

O que será o projecto daqui a uns meses?

Responde a Aline, “vejo-o claramente como um projecto singular. Diferente, inovador, com ritmo e energia. Acredito que vá marcar a “pausa” no espaço de restauração lisboeta.
Daqui a 6 meses (e é para isso agora que ando à caça de pessoas originais!) espero que tenhamos uma equipa diferente, polivalente e que reflicta o conceito que estamos a criar! Que o TFTF seja um spot de passagem quase obrigatória, na qual se encontre um serviço de excelência aliado a um clima descontraído e moderno.”

Tentador, não é? 🙂

Pois é, amigos, por aqui muito se faz… Os preparativos para a abertura do espaço estão em grande e em força… Não imaginam o desafio que é abrir um restaurante em Lisboa! Mas é apaixonante e todos estamos a abraçar as nossas tarefas. Todos?… Muito brevemente vamos mostrar-vos quem são…

Entretanto, já estamos a preparar a “obra” literal e metaforicamente: desde o caderno de encargos às entrevistas de emprego (anyone interested?).

TFT criaçãoA comunicação também tem sido uma preocupação: do design da nossa marca às fardas, passando por este Blog, claro. Sempre reunindo com toda a equipa: na terça-feira passada fizemos um Brainstorming com o Staff, no restaurante Rubro, no Campo Pequeno. Enquanto o nosso não abre, aproveitem e vão lá provar as tapas fantásticas, o vinho e claro, o ambiente 🙂

São mil e um preparativos…
Mas como a vida também tem as suas surpresas, temos um desafio para todos. O nosso espaço vai ter uma componente cultural, um espaço de ligação entre a cozinha, o vinho, a música e toda a Cultura. Por isso, estamos à procura de talentos. Em parceria com a Ice Eventos, estamos à procura de novos e conhecidos grupos musicais, dj´s, escritores, artistas plásticos… Se conheces alguém ou és um dos que se enquadram neste perfil, ficamos à espera 🙂

O prometido é devido! Aqui estão finalmente as fotos da nossa warm-up party Tout Feu Tout Flamme, que organizámos no nosso futuro espaço, nos Terraços de Bragança, no Chiado (Lisboa).

Enjoy!

Tout Flamme Tout Feu - Warm-up1

Tout Flamme Tout Feu - Warm-up1

 

Ena Tantos!...

Ena Tantos!...

E mais uns...

E mais uns...

Outros!

A festa foi... em concorrida :-)

A festa foi... bem concorrida 🙂

 

Mais uns

 

Fim de FestaGhis e Laranja

Claro que a nossa receita é secreta, mas aqui está, como prometido, uma receita para aguçar o apetite aos mais curiosos e uma foto exclusiva da nossa warm-up. Ainda este fim de semana vão ter mais 🙂

Vamos ao que interesa, a Tarte Flambée pode ser feita com:

Em breve, mais ....

Ingredientes:

Massa de Pão (500 g)
2 Cebolas grandes cortadas em rodelas
40 cl de Natas frescas e/ou “Fromage Blanc” (sorry guys, “fromage blanc” é mesmo intraduzível)
60 g de bacon aos bocadinhos (do melhor)
1 colher de óleo de colza
Sal, noz moscada e pimenta

Primeiro estende-se a massa do pão numa placa de forno ou, idealmente, numa pá de padeiro. Depois cobre-se com as cebolas, o bacon e as natas/Fromage Blanc condimentados.
Rega-se com o óleo de Colza e vai ao forno muito quente. Se possível, em forno aberto (os antigos fornos de pão…) de forma a que as chamas “flamem” a tarte.
Come-se muito quente!

Boa Páscoa 🙂

É tudo uma questão de palavras…
O significado é o mesmo: o de um projecto que vai aparecer, em breve, em Lisboa. E sim, alguns chamam-lhe restaurante. Nós, por agora, preferimos dar-lhe o nome de espaço para ter uma experiência dos cinco sentidos – porque a cozinha alsaciana é mesmo assim.

TFTF é um projecto novo – uma nova empresa que constituímos – Tout Feu tout Flamme. Porque é mesmo assim… Em francês, être tout feu tout flamme significa ser entusiasta. E é com esse entusiasmo que vamos viver um novo espaço em Lisboa.

Cartaz do Filme Tout Feu tout Flamme

Para os que não conhecem (ou para aqueles que querem rever), aproveitem e dêem uma espreitadela ao filme francês Tout Feu Tout Flamme com Yves Montand e Isabelle Adjani.

Mas, então, por quê a inversão das palavras no Blog Tout Flamme tout Feu?

Simplesmente, porque nos apeteceu e porque, qualquer dia, vai existir mais do que um Blog. E, então, irão conhecer o site… do… isso do nome, fica para depois 🙂

Depois de uma Festa fantástica, vamos continuar com novidades! Em breve, aqui, uma receita da nossa especialidade…

A famosa FlammeKueche

A famosa FlammeKueche

Todos conhecemos a fama (inquestionável) da cozinha francesa. Foie gras e Sauternes, ostras e Champagne, tartes, queijos, compotas… e muito bom vinho a acompanhar. Na Alsácia, o cenário não é diferente… come-se, e muito bem. Sabores da terra, maioritariamente, que vão da carne de porco à Choucroute, do foie gras ao Pain d’épices. A cozinha alsaciana baseia-se nas tradições alemãs, trazidas pela proximidade fronteiriça.

Ao almoço ou ao jantar, degusta-se a “jóia da Coroa”: a flammekueche ou “tarte Flambée”. Uma tarte que é mais do que isso…

Os ingredientes principais são simples: cebola, cogumelos frescos e bacon. Mas a Flammekueche é muito mais. Guarda nela muitos séculos de segredos e uma imensa dedicação que fazem desta Flamme algo com um sabor extraordinariamente familiar e envolvente.

Um sabor muito especial, em breve, em Lisboa

P.S- Ao Olhares da Vera: Obrigado pelas boas-vindas!

Sabe qual é maior cidade da Alsácia, região de França? Estrasburgo.

Nós gostamos, e Lisboa também

Nós gostamos, e Lisboa também

Mas porquê tudo isto?…
Há algo de interessante no seu verde, nas suas casas, no seu aroma a lareira caseira…

Conhece a Alsácia?

Nós conhecemos e vamos trazê-la a Lisboa…

Gostamos dela, e (ainda) não sabemos bem porquê…